A Zeno.FM Station

Conferência sobre a “Livraria Cruz”

No âmbito do ciclo de conferências “Conhecer Braga, através das suas instituições, dos ilustres bracarenses e do seu património”

 

Iniciado no ano de 2022 pela Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva, que tem como objetivo dar a conhecer aos bracarenses as suas personalidades mais notáveis (com maior destaque em termos culturais e de pensamento crítico), a sua riqueza arquitetónica,
as suas festividades cíclicas e as suas organizações, realiza-se no próximo dia 27 de Abril (Quinta-feira) pelas 18:00 horas, no “Auditório”, a Conferência sobre “A Livraria Cruz, 1888-1996”, com os seguintes oradores: Professora Luísa Braga da Cruz e o Doutor Rui Ferreira.
Está patente na “Sala de Exposições” da Biblioteca, desde o dia 15 de abril até ao dia 03 de maio, uma exposição documental, bibliográfica e fotográfica sobre a “Livraria Cruz”.

LIVRARIA CRUZ 135 ANOS

A Livraria foi fundada em 1888 com o nome de Livraria Escolar – Cruz & Cª, pelo professor e pedagogo do ensino suplementar José António da Cruz, nascido a 27 de abril de 1859 na Freguesia de Couto de Vimieiro, tendo casado a 13 de abril de 1885 com Emília
Rosa Braga da Cruz, na Igreja de Maximinos, e sendo professor oficial da escola primária e elementar masculina da Freguesia de S. Pedro de Maximinos, secretário da Mesa da Irmandade de Nossa Senhora do Ó e amigo íntimo do Dr.º Manuel José de Almeida Guimarães.
José António da Cruz, constituiu sociedade com o seu amigo João Correia Forte a 19 de abril de 1888, na Rua Nova de Sousa, embora o contrato notarial só tenha sido lavrado, em 01 de abril de 1889. Dedicou-se à Livraria e ao comércio de livros destinados ao ensino primário porque existia uma grande falta dos mesmos no ensino primário geral.
Na época, porém, eram adotados apenas as Cartilhas do ABC e a do abade de Salamonde. Com um espírito dotado de grande capacidade, não quis ficar limitado a estes livros.
No ano seguinte lançou a sua primeira edição, abrindo assim caminho a toda uma outra atividade editorial com o livro: Compêndio de história de Portugal de José Augusto Ferreira – membro da Academia de Ciências de Lisboa, sendo este adotado em
escolas Primárias e alguns Seminários.
José António da Cruz foi um empreendedor com vasto plano de edições para as suas próprias e modernas oficinas, que se tornarão notáveis, pelos novos autores que foi lançando ao público. Em 9 de Janeiro de 1939 foi condecorado com o grau Comendador
da Ordem do Mérito – Classe de Mérito Industrial.
Devido às suas relações pessoais, consegue entrar em contacto com o meio cultural de Coimbra, de que se destacam os nomes dos Professores Doutores Francisco José de Sousa Gomes, Gonçalves Guimarães, Souto Rodrigues, Bernardo Aires, Anselmo Ferraz
de Guimarães, Eusébio Tamagnini, Diogo Pacheco de Amorim, de entre muitos outros.
A Livraria Cruz orgulha-se das sua obras editoriais e de grande singularidade no meio cultural do nosso país, tendo algumas constituído verdadeiros êxitos e sendo de conhecimento para muitas gerações de estudantes. Com grandes obras de escritores
portugueses do século XVIII-XX, tais como: Contos Lendas e Narrativas, Frei Luís de Sousa, Auto da Alma de António Vieira, Júlio de Moraes, Saavedra Machado.

Conferencia-sobre-a-Livraria-Cruz-1888-1996
Conferencia-sobre-a-Livraria-Cruz-1888-1996

A. Correia de Oliveira, Dr. José Vicente Gonçalves, António Palma Fernandes entre outros.
Num muito breve trecho se poderá referir que muitos ilustres autores de obras editadas pela Livraria Cruz se destaca apenas alguns (uma minoria): Adriano Nunes de Almeida, Manuel de Oliveira Faria, Feliciano Ramos, Souto Rodrigues, Alexandre
Rodrigues, José Monteiro Cardoso, Raúl Dória, Júlio Brandão, Amândio Cesar, Egídio Guimarães, Pe. Ferreira da Silva, Pe. J. Pereira Salgado.
José António Cruz conheceu pessoalmente Camilo Castelo Branco, tendo incluído nas suas edições “Camilo Homenageado”, “O escrito da Graça e da Beleza”. “O Amor de Perdição” e “Camilo em S. Miguel de Sande”.
Com a morte de José António Cruz, em 11 de novembro de 1942, homem de Cultura e fundador da Livraria Cruz, foi Fernando Manuel Braga da Cruz, natural da Praia da Vitória – Açores, onde frequentou o ensino até ao liceu em 1942. Vindo para Coimbra após a nomeação do seu pai para delegado do Distrito para aqui frequentar o Liceu D. João III, que em outubro de 1945 veio a ser o sucessor do seu avô, vindo a casar em 1948 com Maria Elvira Faria Pereira natural de Tadim – Braga.
Durante a sua gerência acompanhou várias edições de livros escolares editados nas duas oficinas gráficas como: A Revista Bracara Augusta (13), Quatro Ventos (16), Revista de Ciências Geológicas, da Faculdade de Ciências de Lisboa, da Sociedade Martins Sarmento, Faculdade de Filosofia. Ciências Jurídicas, a Edição da coleção “Filosofia” (20), com a participação dos padres Durão Alves, Mário Mateus, Lúcio Craveiro da Silva, Raul Fragata, Diamantino Mateus de entre outos. Destas revistas foram publicadas várias
separatas. Algumas valiosíssimas, nomeadamente do Prof. Dr. Marcelo Caetano, Dr. Alfredo Pimenta, Dr. Francisco José Veloso, Pe. Avelino de Jesus Costa, bem como o estudo “O Requiário de Braga, Dr. Sérgio da Silva Pinto.
No Campo do Direito, com as obras de Álvaro Machado Vilela, Fernando Pinto Gomes, Justino Cruz, Manuel Rosário Coutinho, Guilherme Braga da Cruz, Rafael de Barros Soeiro, Manuel Monteiro, Alberto Feio e Marcelo Rebelo de Sousa.
Durante a sua direção acompanhou de muito perto a evolução da Literatura, sendo mesmo recordado pelos seus antigos colaboradores como “Mestre”, conciliador, honesto e amigo em que sempre orientou a sua vida em torno da Cultura e dos livros.
Fernando Manuel Braga da Cruz, foi livreiro, editor, mas também um homem apaixonado pelos aviões, tendo pertencido a várias direções do Aéreo – Clube de Braga, onde tirou o brevê em 1958 e a licença de planador em 1959. Participou em várias voltas aéreas à Península, ficando várias vezes em lugar de destaque.
Em 1996 acabou por encerrar e passar a denominar-se Bertrand Cruz, até fechar.
Fernando Mendes Associado nº 13 da Braga +
Nota
Muito mais se podia dizer pelas memórias destes 135 anos da Livraria Cruz, para que se passe ao esquecimento as obras dos homens que deram o seu melhor pela Cultura e pelo nome da nossa cidade, o que nem sempre é lembrado pelos responsáveis bracarenses.
Cruz, Luísa Braga da. Livraria Cruz, 75 anos.

In Comunicação Social RUI FERREIRA (Braga, 1984) Frequentou a Escola de Engenharia da Universidade do Minho, tendo-se
licenciado em Filosofia pela Universidade Católica Portuguesa no ano de 2009.
Em 2013 obteve o grau de Mestre em Património e Turismo Cultural na Universidade do Minho, com a dissertação “Festas de S. João em Braga: raízes, história e potencial turístico”.
Em 2019 concluiu o doutoramento em Estudos Culturais na Universidade do Minho, tendo como tese “Os cerimoniais público(-privados) e as solenidades da Semana Santa de Braga”.
Pertenceu à Companhia de Jesus entre 2004 e 2011. Nesse período colaborou com o Centro Académico de Braga, Apostolado da Oração e foi docente no Colégio de S. João de Brito. Entre 2011 e 2013 trabalhou com o Gabinete do Arcebispo Primaz.
Entre 2013 e 2021 desempenhou funções como assessor do Pelouro da Cultura da Câmara Municipal de Braga.
Tem-se dedicado, desde 2002, aos Estudos sobre Braga, através da publicação de artigos e comunicações. Foi autor do blogue de cidadania Braga Maior e fundador e Presidente da Associação Braga Mais.
Entre 2013 e 2019 assumiu a presidência da Associação de Festas de São João, responsável pela realização das festas da cidade de Braga.

Foi responsável pelo comissariado de várias exposições.
Autor dos livros “O São João é de Braga” (2014), “São João da Ponte: o pitoresco lugar da cidade de Braga” (2016), “Procissão da Burrinha” (2017), “O Santuário do Bom Jesus do Monte” (2017) e “A Semana Santa em Braga” (2021) e “Trilhos Bragueses”(2021).
Em 2021 fundou o Ponto Braguez, no qual se dedica a divulgar o Património e a História de Braga.